Post Page Advertisement [Top]

Roatrip EN2 #1: A preparação


Já vos tínhamos contado (aqui) que apesar de já termos falado várias vezes em percorrer a Estrada Nacional 2, o projecto só passou a ser algo concreto depois de, num jantar de amigos, a conversa passar de um "O que é a Nacional 2?" para um "VAMOS!". 


E, antes que perguntem, o que é a Nacional 2?
A Estrada Nacional 2 é a maior estrada portuguesa, unindo Portugal de Norte a Sul: começa em Chaves, no quilómetro 0 e segue até Faro, onde encontramos o último marco quilométrico no quilómetro 738,5. Se quisermos ser mais exactos, a EN2 tem na sua totalidade 739,260km. 
Não fosse isto facto suficiente para querermos percorrer a estrada, ainda acrescentamos o facto de passar pelas mais típicas paisagens portuguesas (do verde montanhoso do Norte para o alto douro vinhateiro, para as serras a perder de vista, para as aldeias do xisto, para a planície alentejana e terminando nas lindas praias algarvias) e percorrer grandes marcos importantes da nossa história. Mas isso, contamos mais tarde quando vos mostrarmos o nosso roteiro propriamente dito. Hoje, ficamo-nos apenas pela preparação...

Num grupo de cinco pessoas, foram precisos três serões para definir tudo o que faríamos e onde iríamos parar para dormir. "Mas fazer a estrada não é simples? Andar sempre em frente?" Bom, é... mas não é assim tão simples. A estrada é enorme - não sei se ainda se lembram mas vai de Chaves até Faro - e pelo caminho há muito para ver, fazer e experimentar. Por isso mesmo, é impreterível sair de casa já com um planeamento traçado de onde queremos parar e o que queremos ver, ou corremos o risco de, a meio, querermos voltar para trás.
Além disso, existem zonas onde a EN2 não está assim tão bem sinalizada quanto isso e até zonas onde o traçado original está submerso e é preciso contorná-lo. Por isso, além de uma equipa multidisciplinar dentro do carro, levámos também o percurso bem estudado.

Mas vamos por partes...

1.1 - O Roteiro



Bom, não há muito a dizer: fizemos a Estrada Nacional 2, de Chaves até Faro, na sua totalidade.
Para definir os pontos de interesse que queríamos visitar (e para percebermos que teríamos de dedicar mais tempo ao Norte, pela quantidade enorme de marcos importantes que cruzam a estrada) recorremos ao Guia "Portugal de Norte a Sul pela mítica Estrada Nacional 2", da Editora Foge Comigo. Este guia dá-nos também enquadramento histórico para um dos locais de paragem, dicas de alojamento, dicas gastronómicas e muito mais. Recomendamos a todos os que quiserem fazer a Estrada Nacional 2, seja com que meio for.
A ajudar-nos no traçado da estrada, além do Guia, tivemos também o roadbook disponibilizado no grupo de Facebook "Estrada Nacional 2 - de cima a baixo...", um grupo que fez a EN2 de mota poucos dias antes de nós. 


1.2 - O Percurso



Fizemos a EN2 num total de quatro dias, de carro, partindo de Chaves. Sendo todos de Lisboa, viajámos de Lisboa até Chaves na véspera de iniciarmos a viagem e o quarto dia de EN2 ainda inclui o regresso a casa, de Faro até Lisboa. 
Muito sinceramente, esta seria a única coisa que alteraríamos na nossa viagem: adicionaríamos, pelo menos, mais um dia. Tudo depende, claro, da forma como quiserem fazer a viagem: se só querem seguir o traçado (e assim há quem a faça em 1 ou 2 dias), se quiserem seguir o traçado e aproveitar para conhecer os vários locais por onde a estrada passa (recomendamos uns 4 ou 5 dias) ou se também quiserem desviar alguns quilómetros do traçado da estrada em si (o que fizemos, pontualmente; neste caso, recomendamos 5 a 6 dias de viagem). Tudo depende, também, do meio de transporte: fizemos a estrada de carro, mas há quem a faça de bicicleta, mota, caravana, etc.


1.3 - As dormidas



Depois de marcarmos num mapa as zonas que queríamos visitar, ficámos com uma ideia mais concreta do tempo a dedicar a cada zona. Assim, além da primeira dormida em Chaves, definimos como pontos de paragem Peso da Régua, Pedrógão Pequeno e Ferreira do Alentejo. 



A alteramos o roteiro para mais dias, colocaríamos duas noites entre Peso da Régua e Ferreira do Alentejo, em vez de apenas uma noite em Pedrógão Pequeno.


Quanto à viagem propriamente dita, vamos contar-vos tudo, a seu tempo. Por enquanto, apenas vos podemos dizer que guardem espaço no porta-bagagens: há imensas iguarias nacionais para provar!

Let's Run Away?

Bottom Ad [Post Page]